Publicado em Deixe um comentário

A história da moda em Depeche Mode

Essa semana, a banda britânica Depeche Mode se apresentou em São Paulo depois de anos cancelando suas vindas ao Brasil. Mas, assim como todos fãs já imaginavam, o show foi de tirar o fôlego e um dos motivos pelo qual o grupo continua em alta é a sua trajetória de quase quarenta anos na ativa produzindo essa combinação única, ora obscura, ora dançante de um synthpop post-punk que, afinal, nunca esteve descolado da moda.

Isto porque, como popularmente se sabe, o grupo escolheu esse nome para a banda a partir de uma revista de moda francesa intitulada Dépêche mode, que quer dizer “notícias sobre moda” em vez do termo francês para “fast fashion”, como muito se popularizou como uma tradução.

Mas a escolha não foi totalmente arbitrária, mesmo porque os membros da banda (Dave Gahan, Martin Gore e Andrew Fletcher) sempre estiveram preocupados com a parte estética de seu trabalho musical – seja nos trajes em seus shows, nas fotos de campanha de seus álbuns ou a estética de seus clipes. Seus looks sempre foram provocativos, seus cabelos nunca foram comuns e, no ano passado, Gahan ainda estrelou uma campanha da Dior Homme fotografada por David Sims.

A coleção, marcada por uma alfaiataria desconstruída, trouxe ainda alguns elementos de borracha e metal que, propositalmente ou não, têm muito a ver com o momento em que o Depeche Mode surgiu – quando o punk estava decaindo em sua popularidade, o rock gótico ascendia e se aproximava das experimentações com música eletrônica.

Sempre com um estilo monocromático, o couro sempre esteve presente nos looks dos músicos – seja em suas calças ou jaquetas, nas botas e coturnos que continuam fazendo parte de seus guarda-roupas em shows e shootings. Em 2010, inspirada pelo clipe Personal Jesus, a revista Elle elencou vários elementos que estavam aparecendo nas passarelas como uma tendência que resgatava o estilo anos 80 da Depeche Mode – fosse com chapéus e botas de cowboy nas passarelas da Moschino ou nas calças de couro da Bottega Veneta.

Dos blazers e jaquetas de ombros grandes para a combinação de ternos e coletes, o estilo da banda se transformou dos cabelos descoloridos de Gore até a barba mal feita de Dave Gahan e seu look que vem acompanhando as últimas tours da banda: basta uma calça mais justa, cinto e colete para que o vocalista dance e transborde a sensualidade que canções como StrangeloveBarrel of a Gun carregam de forma sutil.

E é justamente no clipe de Strangelove que podemos ver mais um outro olhar da banda sobre a moda. Dirigido por Anton Corbijin, o clipe contou com uma Super 8 filmando cenas em preto e branco de diferentes locais em Paris, quartos de hotel e cenas gravadas em estúdio.

Na obra podemos ver modelos vestindo lingerie e desfilando entre os transeuntes enquanto os membros da banda observam esses movimentos. É essa combinação de cenas e ideias que talvez melhor traduza o espírito do grupo: um olhar obscuro sobre o glamour da moda parisiense a partir da sensualidade de uma mulher misteriosa. Talvez seja essa, então, a figura que consegue reunir e resumir o espírito fashionista que a música dos britânicos do Depeche Mode continuam a tocar pelo mundo afora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 2 =