Publicado em Deixe um comentário

Por um novo comportamento de consumo: Aluguel de look na Bem Phyna

Desde o surgimento de serviços como o Uber e Netflix, passamos a ter um novo pensamento e olhar sobre nosso comportamento de consumo. Para que vou querer um carro, se com um aplicativo posso conseguir uma carona a qualquer momento, em qualquer lugar? Ou para que vou querer comprar um DVD e acumular objetos na minha casa, se posso assinar um serviço que me oferece o mesmo conteúdo?

Alguns dos nomes mais proeminentes nessa transição por um consumo mais consciente e colaborativo é a inglesa Rachel Botsman. Em seu livro What’s Mine Is Yours: The Rise of Collaborative Consumption, Rachel escreve: “O sistema do consumismo pode parecer um fato imutável da vida moderna. Mas não é. Que esse sistema tenha sido manufaturado sugere que nós podemos remodelar essas forças para criar um sistema mais saudável e sustentável, com um objetivo mais recompensador do que ‘possuir mais coisas’.”

A essa prática também se dá o nome de lowsumerism, o que não necessariamente significa consumir menos, mas consumir de forma mais consciente, inteligente. Isto é, em vez de se concentrar na quantidade, é a qualidade e o propósito por trás dos produtos e das marcas que trazem consigo um valor de compra maior do que um preço menor por uma quantidade maior. Ou, ainda, é o acesso àquele produto ou serviço que mais valem do que a posse: uma furadeira, por exemplo, é usada pouquíssimas vezes em um ano, então por que não só emprestar do vizinho com a ajuda de aplicativos como Tem Açúcar?

Há alguns anos, a Box1824 produziu um ótimo vídeo que resume bem essa transição de uma era que vem desde o início da publicidade pós-Revolução Industrial até como ela impulsionou o consumo e moldou nosso imaginário e nosso comportamento, de modo que isso continua até hoje presente como uma influência nos nossos sistemas e modos de produção. Afinal de contas, quando modificamos nossa forma de consumir, mudamos toda uma cadeia na qual também estamos envolvidos como trabalhadores e não apenas como consumidores.

O mercado fashion, por consequência, também está se adaptando para promover essa transição de um momento de consumismo potencializado nos anos 90 para um consumo mais consciente. Um exemplo é a empresa britânica Higher Studio, que disponibiliza peças raras e incríveis de grifes que sempre sonhamos em vestir, mas que são caras demais para realmente possuirmos.

Então, na lógica do acesso acima da posse, é a partir do aluguel de peças que a empresa não só impulsiona uma forma mais sustentável de consumo e de apreciação da moda, como também torna as grifes mais próximas das pessoas. Nas palavras da fundadora do Higher Studio, Sara Arnold, “muitos desses itens são ou super raros ou muito caros para justificarmos a compra, então é incrível vê-los sendo usados por pessoas que realmente os apreciam e é isso que eu realmente quero!”.

Na Bem Phyna, também estamos na crista dessa onda por aqui, no Brasil! A partir de agora, você pode alugar qualquer peça de nosso acervo para montar aquele look bapho e arrasar por aí. Funciona da seguinte maneira:

  • Qualquer peça de nosso acervo pode ser alugada por 20% do valor original. Exemplo: se a peça custa R$100, pode alugá-la por R$20 durante dois dias.
  • Caso queira manter a peça por mais de dois dias, o valor do aluguel fica o dobro (ou seja, 40% do valor original).
  • Stylists e figurinistas também podem usar esse serviço e ficar com as roupas por até 7 dias pelo mesmo valor de 20% do preço original de cada peça.
  • Você não precisa lavar a roupa antes de devolver, nós fazemos isso!
  • Caso queira produzir o look com a nossa stylist Gabriella Abuleac, cobramos uma taxa de 20% a mais sobre o preço da peça e mais R$250 pela hora de atendimento.
  • Se eventualmente a peça apresentar alguma avaria no momento da devolução, cobraremos o preço original da peça.

Bora, minha gente? É só marcar um horário pra gente te receber na Maison Bem Phyna, assim você conhece nosso espaço e aproveita para testar nossos serviços de aluguel e styling. Também super incentivamos o desapego e estamos abertas para receber suas peças e tornar a moda uma indústria mais circular. Veja como tornar suas roupas e acessórios parte do nosso acervo aqui.

Partiu?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 2 =